Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Extratos da obra’ Category

«Ah! As manhãs do outono são deliciosas em Portugal. É esta a estação dos poetas e dos amantes.»
(In Aventuras dum surdo)

Read Full Post »

«A 15 de agosto de 1534, estes sete companheiros, em uma capela subterrânea da igreja de Montmartre, em dia festivo da Assunção da Virgem, fizeram voto de castidade, de pobreza perpétua, e de se juntarem, no espaço dum ano, em Jerusalém…»
(In Horas de paz)

Read Full Post »

“Se eu sou como filho desta casa, e não tenho outra família, para onde hei-de eu vir a não ser para aqui? Já nas férias do Natal cá me tem para a consoada; depois torno nas férias de Páscoa, e as férias grandes, três meses, cá os venho passar. Já vê, prima – disse ele, a sorrir – que, por mais que façam, não se podem ver livres do seu eterno hóspede.”
(In Serões de São Miguel de Seide)

Read Full Post »

«O bombo, que começou a morrer desde que por escárnio o crismaram em Zé-Pereira, é já raro ouvir-se nas alvoradas de verão festejando os mordomos das festas, e rolando ao longe os rufos das suas caixas nas quebradas sonorosas dos montes. Isto fazia uma alegria incomparável; chamava os corações que estremeciam alvoroçados, havia muito amor naqueles dias de festa, as moças saltavam dos combros aos caminhos suspensas na roda das saias; os rapazes esperavam-na zangarreando nos cavaquinhos, e lá iam de rancho, num saracoteio de nalgas tão inocente como as estátuas nuas, e com mais alguma sensibilidade que elas, quando as beliscavam nas polpas.
Polpas, inocência, bombo, cavaquinho, tudo passou.»
(In Ecos humorísticos do Minho)

Read Full Post »

«Tomou o estudante uma casa menos modesta, fora de portas em Santo António dos Olivais. Em redor da casa fechava-se o arvoredo de alámos, plátanos e choupos…»
(In O bem e o mal)

Read Full Post »

«…
Cunha – E o seu futuro, e o futuro dessa criança?
D. Augusta – Será o trabalho; eu, trabalhando para sustentá-lo, dar-lhe-ei o exemplo.»
(In Lágrimas abençoadas)

Read Full Post »

«Bernardo da Silva era um filho bastardo de um nobre de Viseu. Do ventre materno passou à roda dos expostos, e daí aos cuidados duma pobre mulher de aldeia.
Aos dez anos não conhecia pai; e sua mãe, mulher do povo, arrastada sobre a lama da plebe toda a sua vida, morrera com o segredo do nobre, que se dignara descer até ela para honrá-la com desonra.»
(In Uma praga rogada nas escadas da forca)

Read Full Post »

«A Páscoa d`Israel, festa pomposa
Na judaica nação,
Ao sangue tinha horror; e Jesus Cristo,
Suspenso numa cruz, torvava o gozo
Da cruel multidão.»
(In Hosana!)

Read Full Post »

«Neste mundo só há dois milagres que podem de um abismo de perdição levantar um homem morto para os sentimentos nobres e insuflar-se a vida de um anjo: é a religião e a mulher.»
(In Mistérios de Lisboa)

Read Full Post »

Ler

«Mau livro é o que nos incomoda, o que nos entristece…»
(In A mulher fatal)

Read Full Post »

Older Posts »