Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Lugares da vida e da ficção’ Category

Agosto de 1864

«Quando eu lá ia, voltava sempre melhor…»
(In No bem Jesus do Monte)

Desenho: Hugo Eiras

Read Full Post »

E ali, da portaria do mosteiro de Santa Clara avizinhou-se chusma de homens, que levaram uma mulher estorcendo-se a brados aflitivos.»
(In Livro de consolação)

Read Full Post »

«Eu é que conheço a Samardã, desde os meus onze anos. 
Está situada na província transmontana, entre as serras do Mésio e do Alvão. Nas noites nevadas, as alcateias dos lobos descem à aldeia e cevam a sua fome nos rebanhos, se vingam descancelar as portas dos currais; à míngua de ovelhas, comem um burro vadio ou dois, consoante a necessidade.»
(In Degredado, Novelas do Minho)

Read Full Post »


«Quem disser que em Trás-os-Montes não há romances, é capaz de dizer que a lua não tem habitantes, e as alfândegas ratos.»
(In Cenas contemporâneas)

Read Full Post »


«No dia seguinte, bela manhã de agosto, foi o bacharel Mateus a S. João da Foz.»
(In Cenas inocentes da comédia humana)

Read Full Post »

«Enviara Eduardo Pimenta dous soldados portugueses que levassem D. Antónia a Sintra onde se estavam redigindo os artigos da convenção.»
(In Livro de consolação)

Read Full Post »



«Em janeiro de 1846, conheci em Coimbra um rapaz, que estudava Humanidades. Contava vinte dous anos, e queixava-se do torpor de metade da sua vida. Pedia que lhe vissem na palidez da face a dobra da mortalha, que lhe envolvia lá dentro do peito o coração já morto.»
(In Leiam)

Read Full Post »

«Se haverá dos que viram o Porto de há catorze anos quem não tenha saudade das noites do Castelo da Foz! Eu de mim não sei o que hoje lá passa; mas ouvi dizer que as brisas baloiçam as solitárias ervas dos baluartes e o vento silva nos vigamentos das salas onde estrondeavam as músicas.»
(In Mosaico e Silva)

 

 

Read Full Post »


«Quem lê desprevenidamente as pomposas relações do modo como foi executada a traça magnificente do Convento de Mafra, crê e pasma na convergência de forças, de vontades e devoção do País a coadjuvarem o pensamento de D. João V.
Primeiro que tudo, saibamos como se desenhou na fantasia do filho de D. Pedro II aquela pedreira.»
(In Mosaico e Silva)

 

Read Full Post »

«O pai está enganado com o modo de vida que me deu. Um doutor não pode dar conselhos sem primeiro andar na prática. Eu preciso de ir primeiro estar algum tempo no escritório de um advogado; e depois é que posso dar conselhos por minha conta.
– Então que foste tu fazer a Coimbra, pedaço de asno? Eu cuidei que era lá o estudo!»
(In Cenas inocentes da comédia humana)

 

Read Full Post »

Older Posts »