Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘1 de junho de 1890’

https://www.youtube.com/watch?v=A5hNQsBpBvk

 

 

 

 

Anúncios

Read Full Post »

«Há muita gente que se diverte comigo. É bem feito, porque eu também me divirto com muita gente.»
(In Correspondência)

Read Full Post »

Ill.mo e Ex.mo Sr.

Sou o cadáver representante de um nome que teve alguma reputação gloriosa n’este país durante 40 anos de trabalho.
Chamo-me Camilo Castelo Branco e estou cego.
Ainda há quinze dias podia ver cingir-se a um dedo das minhas mãos uma flâmula escarlate. Depois, sobreveio uma forte oftalmia que me alastrou as córneas de tarjas sanguíneas.
Há poucas horas ouvi ler no Comercio do Porto o nome de V. Ex.a. Senti na alma uma extraordinária vibração de esperança.
Poderá V. Ex.a salvar-me? Se eu pudesse, se uma quase paralisia me não tivesse acorrentado a uma cadeira, iria procura-lo. Não posso.
Mas poderá V. Ex.a dizer-me o que devo esperar d’esta irrupção sanguínea n’uns olhos em que não havia até há pouco uma gota de sangue?
Digne-se V. Ex.a perdoar á infelicidade estas perguntas feitas tão sem cerimónia por um homem que não conhece.

Camilo Castelo Branco

Read Full Post »


«Chega a morte! Vejo-a, sinto-a.
A luz dos olhos se apaga…
Vem meu filho, abraça e beija
De teu pai a face fria
Limpa-lhe o rosto orvalhado,
Não de pranto, que eu não choro,
Mas do suor da agonia.
Não me fujas, filho; imprime
Na tua alma esta imagem.
Daqui a pouco à voragem
Resvalou teu pobre pai.
Vem também, santa das dores,
Receber o extremo ai!
Não me vás levar flores
À sepultura, não vás
Que me aquece a luz da vida
Na sepultura esquecida,
Onde enfim hei-de ter paz!»
(In O Leme)

Read Full Post »