Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Camilo Castelo Branco’

Foi anunciado um duelo entre Camilo Castelo Branco e António Freitas de Barros, em dia e lugar marcados, 5 de maio de 1845, próximo da Torre da Marca, no Porto.

Read Full Post »

Perguntas e caminhos (tsf.pt)

Read Full Post »

«Quem melhor do que Camilo conheceu as mulheres e a sua psicologia e sentiu o travo das lágrimas?!
Quem, portanto, com mais exacto conhecimento de causa do que o autor do “Amor de perdição”, poderia escrever acerca das mulheres, das lágrimas, do amor e do coração?»

Nuno Catharino Cardoso

Read Full Post »

Camilo e Patrícia Emília fogem para o Porto, Camilo fora acusado de roubo por
João Pinto da Cunha, seu tio, os dois amantes ficam presos
na Cadeia da Relação do Porto, de 12 a 23 de outubro.

Read Full Post »

Filho de uma família abastada, com um carácter violento e apaixonado.
Assassinou a esposa, Claudina Guimarães, no dia 9 de maio de 1870. Julgado, foi condenado a 15 anos de degredo.
Morreu em Luanda, a 5 de outubro de 1872.

Read Full Post »

Camilo Castelo Branco

Read Full Post »



«Camilo Castelo Branco é um artista de raça. A sua obra é assombrosa, genial. As maiores nações do mundo honrar-se-iam de ter este escritor entre as suas primeiras glórias.»
António Cândido

Read Full Post »

Ana Plácido casa com Pinheiro Alves e Camilo conhece a freira Isabel Cândida Vaz Mourão, do Convento de S. Bento da Avé Maria, com manteve uma relação amorosa.

Em 1855, a freira Isabel será a responsável pela educação de Bernardina Amélia, filha dos amores de Camilo e de Patrícia Emília de Barros.

Bernardina Amélia, 1853.

Read Full Post »

«Dizem que a minha sepultura será aquecida pela glória. Que parvoiçadas aí se dizem!»
(In Quatro horas inocentes)

 

Read Full Post »

Durante a febre

À porta do sepulcro, ainda volto a face

Para ver-te chorar, ó mãe do filho amado,

Que vê, como num sonho, a cena do trespasse…

– Sorver-lhe o eterno abismo o pai idolatrado.

Talvez que ele, a sonhar, te diga: «Mãe não chore

Que o pai há-de voltar…» Quem sabe se virei?

Quando a Acácia do Jorge ainda outra vez enflore,

Chamai-me, que eu de abril nas auras voltarei.

Camilo Castelo Branco

 

 

 

 

Read Full Post »

Older Posts »