Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Ecos humorísticos do Minho’

«Depois, na Páscoa, tornam a cevar-se em cabeça de porco, pelo facto de Jesus ter ressuscitado, e assim vão comendo as suas vitualhas e mais os dogmas da sua religião.»
(In Ecos Humorísticos do Minho)

Anúncios

Read Full Post »

«O revólver e a navalha são as armas mais frequentes dos camponeses do Minho. Já não usam o forte pau de carvalho ou lódão argolado. Em terras de Barroso ainda não penetrou alguma das armas dos cobardes. O Barrosão, quando quer bater ou evitar que lhe batam, estona um esgalho de cerquinho ou de marmeleiro, põe-o de molho três dias e três noites em um poça e depois…»
(In Ecos Humorísticos do Minho)

 

Read Full Post »

«…Depois, o mulherio e os rapazes saem, quentes e refratários ao gelo de 24 de dezembro, a cantar por portas o nascimento do filho de Deus.»
(In Ecos humorísticos do Minho)

 

 

Read Full Post »


Os rapazes já escaldam as pinhas para lhes descelularem os pinhões, que hão-de jogar e comer na noite de Natal. Nas hortas medram as viçosas couves galegas, cujos os olhos hão-de ser cozidos com o farto bacalhau naquela noite almejada.
A alegria não preluz a esta gente pelo aniversário do Redentor; é pelo aniversário do vinho quente, da aletria e dos mexidos: – uma barrigada que vale bem a comemoração dum Deus que se fez homem para dar a estes operários a dignidade que lhes permite comerem as suas rabanadas debaixo do seu tecto colmado. Eles não sabem nada disso. Entendem que o facto do nascimento de Jesus está teologicamente e socialmente explicado pela indigestão das hortaliças abeberadas em azeite.
(In Ecos humorísticos do Minho)

Read Full Post »

«Enquanto aos actores se dão hábitos de S. Tiago, aos escritores apenas lhes é permitido, se os herdeiros pagarem, o hábito de S. Francisco.»
(In Ecos humorísticos do Minho)

Read Full Post »