Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Fundação Arthur Cupertino de Miranda’


A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão aprovou por unanimidade um voto de pesar pela morte do director da Casa-Museu de Camilo Castelo Branco, o professor universitário Aníbal Pinto de Castro. Em reunião do Executivo Municipal, realizada nesta quarta-feira, o voto de pesar apresentado pelo presidente da Câmara, Armindo Costa, foi subscrito por todos os vereadores da maioria PSD-CDS/PP e do PS.

Professor jubilado da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Pinto de Castro faleceu sexta-feira, 8 de Outubro, aos 72 anos, nos Hospitais da Universidade de Coimbra, onde estava internado há cerca de um mês. O funeral ocorreu sábado, em Cernache, localidade de onde era natural e onde residia. A sua última aparição em S. Miguel de Seide aconteceu em 26 de Fevereiro de 2010, para receber o bispo do Porto, D. Manuel Clemente, convidado da Casa-Museu de Camilo Castelo Branco no ciclo de cinema “Um Livro, Um Filme”.

Aníbal Pinto de Castro prestou uma estreita e inestimável colaboração com o Município de Vila Nova de Famalicão, desempenhando as funções de Director da Casa-Museu de Camilo Castelo Branco e do Centro de Estudos Camilianos, desde Dezembro de 1995. Em Vila Nova de Famalicão, exerceu igualmente as funções de Director da Biblioteca da Fundação Cupertino de Miranda, cujo Conselho de Administração integrou.

Como forma de reconhecer o seu papel no desenvolvimento da cultura a nível local e nacional, a Câmara Municipal galardoou Aníbal Pinto de Castro com a Medalha de Mérito Municipal Cultural, através da deliberação de 25 de Junho de 2001, e com o título do Cidadão Honorário do Município, mediante deliberação de 25 de Junho de 2008.

PINTO DE CASTRO DOOU CAMILIANA PARTICULAR E ACERVO BIBLIOGRÁFICO DO SÉCULO XIX

Ao ter recebido o título de cidadão honorário das mãos de Armindo Costa, em 9 de Julho de 2008, na sessão solene evocativa do 23º aniversário da cidade de Vila Nova de Famalicão, Aníbal Pinto de Castro anunciou que iria doar parte dos 60 mil títulos que compunham a sua biblioteca pessoal ao município, em particular a bibliografia relativa a Camilo e à literatura do século XIX. “Não encontraria nenhuma instituição melhor para receber a parte da minha biblioteca no que diz respeito a Camilo e ao século XIX do que o Centro de Estudos Camilianos”, afirmou na altura Aníbal Pinto de Castro. Armindo Costa, por seu turno, considerou a doação de Pinto de Castro como “um motivo de orgulho para Famalicão e para os famalicenses”.

Aníbal Pinto de Castro nasceu a 17 de Janeiro de 1938, licenciou-se em Filologia Românica na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, em 1960, com a tese Balzac em Portugal. Considerado uma das maiores referências das letras em Portugal e no estrangeiro, doutorou-se em Literatura Portuguesa na “sua” universidade, em 1973, e, em 2007, recebeu o doutoramento “honoris causa” pela Universidade Católica Portuguesa, na celebração dos 40 anos desta instituição.

Nomeado Professor Auxiliar na mesma faculdade em 1974, Pinto de Castro passaria a Extraordinário, em 1978, e, finalmente, a Catedrático, em 1981. Desenvolveu uma intensa e vasta actividade docente, regendo cadeiras de Literatura Francesa, Literatura Portuguesa e Estudos Camonianos e assegurando vários seminários em cursos de mestrado da área de Literatura Portuguesa, assim como cursos de graduação e pós-graduação em diversas Universidades nacionais e estrangeiras. Ao longo da sua longa carreira universitária, exerceu as funções de Director da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, entre 1984 e 2004.

Participou em inúmeros congressos e reuniões científicas, dentro e fora de Portugal, apresentando várias comunicações sobre matérias da sua especialidade, com notável incidência nos períodos clássico e moderno da Literatura Portuguesa, e na obra de escritores como Camões, Padre António Vieira, Eça de Queirós e Camilo Castelo Branco, donde resultou uma bibliografia com mais de duzentos títulos.

Foi membro da Academia das Ciências de Lisboa, da Academia Portuguesa da História, da Real Academia da História de Espanha, da Academia Nacional de História da Venezuela e da Sociedade de Geografia de Lisboa, entre outras instituições científicas. Em Abril de 1998, foi galardoado com o Prémio Internacional de Crítica Literária Jacinto do Prado Coelho, atribuído pelo Centro Português da Associação Internacional de Críticos Literários. Aposentou-se da carreira universitária em Fevereiro de 2005.

Foi Comendador da Ordine al Merito della Republica Italiana, Comendador da Real Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa e Cavaleiro da Ordem Equestre do Santo Sepulcro. No dia 10 de Junho de 2007, Sua Excelência, o Senhor Presidente da República, Prof. Doutor Aníbal Cavaco Silva, galardoou-o com a Ordem de Sant’Iago da Espada.

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão apresenta “as condolências e a solidariedade institucional” à família de Aníbal Pinto de Castro.

Fonte: Município de Vila Nova de Famalicão

Anúncios

Read Full Post »

Amanhã, dia 10 de Julho, pelas 11h00, no auditório da Fundação Arthur Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão, a Associação de Amigos de Famalicão promove uma conferência intitulada “Camilo e Unamuno, por Terras do Distrito de Braga e Salamanca”, proferida pelo Professor Doutor Luis Andrés Marcos, da Universidade Pontifícia de Salamanca, que contará com apresença do Cônsul de Portugal em Salamanca, Comendador Dr. Augusto Pimenta de Almeida.

Conferência “Camilo e Unamuno, por Terras do Distrito de Braga e Salamanca”
Resumo:
«Parece un hecho efectivo que los dos grandes pueblos descubridores de nuevas tierras y mundos, Portugal y España, no han sido capaces de descubrirse a si mismos, su mundo propio, y en consecuencia hayan sido otros los que hayan tenido que descubrirnos, con el subsiguiente peligro de hacerlo sin la inmediatez necesaria para hacerlo desde nuestras propias coordenadas sino más bien como personalidades colectivas curiosamente interesantes por alejadas y exóticas.

Lo que se pretende en la Conferencia es ensayar un entendimiento y comprensión de nuestros dos pueblos, en su diferencia y unidad, desde nuestras propias coordenadas históricas. Para ello se han elegido dos personalidades significativas tanto en el espacio portugués como sin lugar a dudas lo es Camilo Castelo Branco (lo atendemos así en su 120 Centenario de su muerte) como de España en la figura de Miguel de Unamuno, representante de lo español y castellano en Salamanca, y cuya lectura y opiniones sobre la obra de Camilo es digna cuando menos de ser tenida en cuenta a la hora de querer dar un juicio sobre nosotros mismos, dado que el propio autor español la entiende como representativa de lo ibérico en su sentido común y diferencial.

Para lo cual y al compás de dicha lectura se irán desarrollando diversos temas:
– ámbítos geográficos.
– perspectivas históricas.
-espacios de sus descubrimientos
– categorías de pensamiento.
– expresiones de sus personalidad
– creaciones de espíritu.
– etc.,

Todo ello como ensayo y tentativa para poder configurar una mirada de sobre nuestros dos pueblos vista desde nuestra propia perspectiva, en la que partiendo de nuestras propias obras podamos tener en cuenta por un lado la inmediatez necesaria y por otro la relativa distancia o mediatez adecuada, para formarnos una visión certera y juiciosa que todo propio conocimiento debe conllevar en vistas a una correcta y sensata actuación y decisión propias y no sólo guiadas por ajenos intereses».

Read Full Post »