Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco’

GRANDE PRÉMIO DE CONTO “CAMILO CASTELO BRANCO” C. M. DE VILA NOVA DE FAMALICÃO/APE

O Grande Prémio de Conto “Camilo Castelo Branco”, instituído pela Associação Portuguesa de Escritores (APE) e patrocinado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, destina-se a galardoar anualmente uma obra em português, de autor português ou de país africano de expressão portuguesa, publicada em livro em 1.ª edição no ano de 2018.

Prazo limite de entrega das obras: 29 de Julho 2019.

Consulte o regulamento em:

http://www.apescritores.pt/Regulamento_de_conto_2018.pdf

Anúncios

Read Full Post »

A cerimónia de entrega do prémio é no dia 5 de novembro, segunda-feira, às 18h00, na Escola Secundária Camilo Castelo Branco.

 

Read Full Post »

Entrega do Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco – Associação Portuguesa de Escritores / Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão (Edição 2016), a Teolinda Gersão.

 

Read Full Post »

Read Full Post »


M EM B R O  H O N O R Á R I O  D A  O R D EM  D O  I N F A N T E D . H E N R I Q U E 

M EM B R O  H O N O R Á R I O  D A  O R D EM  D A  L I B E R D A D E


COMUNICADO DE IMPRENSA

TERESA VEIGA VENCE O

GRANDE PRÉMIO DE CONTO “CAMILO CASTELO BRANCO”

APE/C.M. DE VILA NOVA DE FAMALICÃO

Um júri constituído por Daniel Jonas, Isabel Cristina Mateus e Maria Carlos Loureiro, reunido na Sede da APE, decidiu por unanimidade, atribuir o prémio ao livro “Gente Melancolicamente Louca“, de Teresa Veiga
(Tinta-da-China).

O júri sublinhou:

Pela elegância despojada da sua escrita, Teresa Veiga revela um notável domínio do tempo, espaço e ritmo narrativos, incorporando várias leituras e sintetizando-as fulgurantemente na sua voz. É com mestria que a autora trata o género, de forma a envolver o leitor nas diferentes atmosferas narrativas que constrói.”

O Prémio, instituído em 1991, pela Associação Portuguesa de Escritores com o patrocínio da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, destina-se a distinguir uma obra em língua portuguesa de um autor português ou de país africano de expressão portuguesa, publicada em livro em 1.ª edição, no decurso do ano de 2015.

O valor do prémio é de 7.500 euros.

A data do acto formal de entrega será oportunamente anunciada.

Lisboa, 29 de Junho de 2016
A Direcção

Rua S. Domingos à Lapa, 17 | 1200-832 LISBOA ∙ PORTUGAL | Telefone +351 21 397 18 99 | Fax +351 21 397 23 41 e-mail: info@apescritores.pt | http://www.apescritores.pt

 

Read Full Post »

Convidado:
Gonçalo M. Tavares
, escritor português, nasceu em 1970.
Os seus livros deram origem, em diferentes países, a peças de teatro, peças radiofónicas, curtas-metragens e objectos de artes plásticas, vídeos de arte, ópera, performances, projectos de arquitectura, teses académicas, etc.

Em Portugal recebeu vários prémios entre os quais o Prémio José Saramago 2005 e o Prémio LER/Millennium BCP 2004, com o romance – “Jerusalém” (Caminho); o Grande Prémio de Conto da Associação Portuguesa de Escritores “Camilo Castelo Branco” com “água, cão, cavalo, cabeça” 2007 (Caminho). Prémio Branquinho da Fonseca/Fundação Calouste Gulbenkain com “O Senhor Valéry”, Prémio Revelação APE com “Investigações. Novalis” com “Uma Viagem à Índia”

Filme a exibir:

 


O Meu Tio
(Mon Oncle, 1958)
Título original: Mon Oncle
De: Jacques Tati
Com: Adrienne Servantie, Jacques Tati, Jean-Pierre Zola
Género: Comédia
Classificação: M/12
Outros dados: FRA/ITA, 1958, Cores, 110 min.
Sinopse: O senhor e a senhora Arpel têm uma casa moderna num quarteirão asséptico. Na casa deles é tudo novo: o jardim é novo, a casa é nova, os livros são novos. Neste universo tão confortável, tão clean, tão hich-tech, tão bem programado, o filho Gérard    aborrece-se de morte. É então que irrompe o irmão da senhora, o tio, o Sr. Hulot. Personagem inadaptada, habituada ao seu mundo caloroso, vai, para delírio do sobrinho, virar tudo de pernas para o ar.

Read Full Post »

hcorreia
Convidada: Hélia Correia

Nasceu em Lisboa. Licenciada em Filologia Românica, foi professora do ensino secundário. Poetisa e dramaturga, foi enquanto ficcionista que Hélia Correia se revelou como um dos nomes mais importantes e originais surgidos durante a década de oitenta, ao publicar, em 1981, O Separar das Águas. Seguiram-se romances como Montedemo, Casa Eterna, (Prémio Máxima de Literatura, 2000), Insânia, Bastardia, Lillias Fraser (Prémio de Ficção do PEN Clube 2001 e Prémio D. Dinis, 2002) e Adoecer, (Prémio da Fundação Inês de Castro, 2010).

Na Poesia, tem uma vasta colaboração em antologias e jornais e publicou obras como A Pequena Morte/Esse Eterno Canto (em díptico com Jaime Rocha) e Apodera-te de Mim. Recentemente editou o volume A Terceira Miséria.

A sua escrita para teatro tem privilegiado os clássicos gregos. Destaca-se Perdição, Exercício sobre Antígona, O Rancor, Exercício sobre Helena e Desmesura, Exercício com Medeia. Para a Infância, salienta-se os livros da colecção Mopsos o Pequeno Grego, Ouro de Delfos e A Coroa de Olímpia. Destaque também para as suas versões das obras de Shakespeare, Sonho de Uma Noite de Verão – Versão Infantil e A Ilha Encantada – Versão Infantil de A Tempestade. A sua obra mais recente intitula-se A Chegada de Twainy (infanto-juvenil), 2011.

Filme a exibir:

O Monte dos vendavais
Realização:
Peter Kosminsky
Interpretação: Juliette Binoche, Ralph Fiennes, Janet McTeer, Sophie Ward
Argumento: Anne Devlin (baseado na obra de Emily Brönte)
Classificação: M12
País: US/GB
Ano: 1992
Dur.: 102 min.
Sinopse: O conto intemporal de amor e paixão escrito por Emily Bronte ganha vida nesta comovente versão para cinema interpretada por Juliette Binoche e Ralph Fiennes. Filmado em exteriores naturais no Yorkshire, esta é a primeira versão para cinema a apresentar a história completa de Bronte de duas gerações das famílias Earnshaw e Linton, à medida que as suas vidas e os seus destinos se cruzam numa complexa teia, dominada pela relação passional entre os amantes amaldiçoados Heathcliff e Cathy. Fiennes oferece uma dinâmica interpretação como Heathcliff e Binoche é arrebatadora no duplo papel de Cathy Earnshaw e Catherine Linton, num filme que capta todo o poder do romance clássico.

Read Full Post »

Older Posts »