Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘morte’


«Numa tarde do princípio de junho desse angustiado e revolto ano de 1890, tão cortado de sobressaltos, agitações e desgraças, no calmo e verdejante retiro aldeão da sua casa de S. Miguel de Ceide, e nesse gabinete de trabalho em que o cercavam os seus adorados livros, companheiros fiéis de toda uma vida de intensa actividade literária. Camilo Castelo Branco, convencido do irremediável infortúnio que condenava os seus derradeiros dias à treva perpétua, abria por sua própria mão as portas de bronze da Morte, metendo na cabeça uma bala de revólver.

 Mas essa bala fatal, que cortava o fio da existência, já tão gasto e adelgaçado pelo sofrimento, rompia também, de vez, os últimos filamentos da nossa tradição literária. Porque a verdade é que, com esse glorioso vulto de escritor, se extingue a linhagem clássica e romântica, e com ele morre a velha língua portuguesa. É um ciclo que se encerra nesse trágico epílogo duma grande vida, laboriosa e fecunda. O seu mausoléu não é apenas a jazida fúnebre dum literato ilustre: é a sepultura de toda uma literatura morta.»

Luís de Magalhães

Read Full Post »

«Agora, em suma, que o viver sem gozar é um triste, se não estúpido, prelúdio de morte…»
(In Amor de salvação)

Read Full Post »

«Aqui, mortais, termina esse contrato,
Que tem por condição isto que vedes:
Um pó, que nestas pedras se confunde,
Resolve desta vida o problema.
Retratos deste pó, só demais temos
Um sopro animador, que a Deus se torna.»
(In Epitáfio)

Read Full Post »

«Respira-se a morte da alma em toda a parte.»
(In Mistérios de Lisboa)

Read Full Post »

«Dizem que a minha sepultura será aquecida pela glória. Que parvoiçadas aí se dizem!»
(In Quatro horas inocentes)

 

Read Full Post »

«O dia do repouso é o primeiro da morte (…) Ninguém repousa nesta vida…»
(In Livro de Consolação)

Read Full Post »

«Chega a morte! Vejo-a, sinto-a.

A luz dos olhos se apaga…

Vem, meu filho, abraça e beija

De teu filho a face fria.

Limpa-lhe o rosto orvalhado,

Não de pranto, que eu não choro,

Mas de suor da agonia.

Não me fujas, filho; imprime

Na tua alma esta imagem.

Daqui a pouco à voragem

Resvalou teu pobre pai.

Vem também, santa das dores,

Receber o extremo ai!

Não me vás levar flores

À sepultura, não vás.

Leva-me os filhos felizes,

Leva-os contigo e verás

Que me aquece a luz da vida

Na sepultura esquecida,

Onde enfim hei de ter paz!»

               Camilo Castelo Branco

Read Full Post »

30 agosto de 1884, morre Maria Isabel da Costa Macedo, esposa de Nuno Castelo Branco

Read Full Post »

Read Full Post »

(In A Pátria, 2-6-1890)

Read Full Post »

Older Posts »