Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘noite’

«Era no último dia de julho daquele ano de 1832
Álvaro Teixeira e sua mãe saíram de Lisboa numa tarde de muita calma, e foram gozar a fresca da noite nos Olivais…»
(In O Romance dum homem rico)

Read Full Post »


«…pretende-se, se não me engano, patrocinar os garotos que entoam no Porto, as cantigas da noite de Natal.»
(In Ecos Humorísticos do Minho)

Read Full Post »

«- Credo! Vossemecê bebe chá por almoço?!
– Pois então!
– Ora essa! Cá em casa há chá, que o compra meu tio padre João, mas é para as dores de barriga. À minha boca nunca ele foi, em boa hora o diga!
– As comidas fortes dão-se bem com o seu estômago?
– Ora de dão! Nunca estive doente dois dias a fio.
– Costuma cear?
Pudera não! Almoço, janto, merendo e ceio: é o costume cá de casa; é vossemecê?
– Eu começo agora, desde que vim para a aldeia, a comer melhor; mas não pude ainda habituar-me a cear.
– Pois quem não ceia toda a noite rabeia: é o ditado dos velhos. Então não come mais nada?»
(In Como se casou Silvestre)

 

 

Read Full Post »

Camilo estava a passar o mês de agosto na Póvoa de Varzim. Ora, apareceu por lá um sujeito que manifestava prosápias de literato, fora apresentado ao romancista, volta e meia fazia-se encontrado com ele – e Camilo tinha de o aturar. Uma noite, saía camilo do casino quando o tal sujeito ia a entrar.
– Acabo de perder vinte mil réis à roleta e logo pensei no meu ilustre amigo! – exclamou o romancista.
– Ah, sim? – disse o sujeito, desvanecido – Mas pensou em  mim, porquê?
Camilo, imperturbável:
– Porque saiu o zero!

Read Full Post »