Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Os brilhantes do brasileiro’

Conjunto de 20 ilustrações criadas pelos alunos do 4.º ano de escolaridade, de quatro escolas do concelho de Vila Nova de Famalicão – E.B. Conde de São Cosme, E.B. Nuno Simões, E.B Louro/Mouquim e E.B. Ruivães -, no âmbito do Atelier de Ilustração, orientado pela Dr.ª Gabriela Sotto Mayor.

Estes trabalhos ilustraram a coletânea de quatro contos realizados no Ateliê de Escrita Criativa, ministrado pelo Dr. Pedro Chagas Freitas, que este ano teve como mote a obra de Camilo Castelo Branco, Os Brilhantes do Brasileiro.

Local: Sala de Exposições do Centro de Estudos
[SEG a SEX – 9h00 às 17h30]
[SÁB e DOM – 10H30 às 12H30 – 14H30 às 17H30]

 

Read Full Post »

1 de Junho, às 10h, cerimónia de encerramento dos ateliês, com a apresentação de uma coletânea de contos realizados no âmbito do Ateliê de Escrita Criativa, ministrado pelo Dr. Pedro Chagas Freitas e ilustrada com desenhos e colagens resultantes do Ateliê de Ilustração, orientado pela Dr.ª Gabriela Sotto Mayor.

Escolas que participaram nos ateliês:

– EB Conde São Cosme, Turma 4AA

– EB Ruivães, Turma L4A

– EB Louro/Mouquim, Turma 4G

– EB Nuno Simões, Turma NS4

Read Full Post »

«Se um vestido de seda e um relógio d´oiro dá dom a quem o não tem, em pouco está o dom…»
(In Os brilhantes do brasileiro)

Read Full Post »

«Ângela, já suposta herdeira do general Noronha, era amada em dobro: formosa e rica. Amavam-na, pediam-na uns morgados que ela nunca tinha vista nem conhecido o nome. As solicitações por escrito ao misantropo velho não recebiam resposta.»

(In Os brilhantes do Brasileiro)

 

 

Read Full Post »


Assistimos aqui a uma luta entre o círculo da sociedade e o círculo do amor, ambos com direitos sobre as personagens.

Já sabemos que Camilo não assiste como árbitro ao conflito entre o coração e a sociedade.

Camilo toma partido. Não se limita a julgar Hermenegildo Fialho Barrosas e a pôr convencionalmente Ângela “debaixo de uma amendoeira florida”. Começa logo pelas proeminências morais características dos três velhos amigos do brasileiro. Pantaleão Mendes, Atanásio da Silva e Joaquim Bernardo. “Abriram-se os buchos e fecharam-se as consciências” destes membros do tribunal de honra onde Ângela foi condenada à infâmia e à pobreza. O mundo do dinheiro, a opinião pública portuense, a sociedade são sujeitos ao sarcasmo e à troça ou ao severo juízo do novelista.

A nossa ousadia em empreendermos um trabalho de tanta responsabilidade deve ser relevada pelo desejo que tivemos de tornar conhecida, no teatro, uma das melhores produções do fecundo e glorioso romancista.

Read Full Post »

«A gente, se for dar ouvidos à canalha, está perdida com a sua vida. Um homem tem sempre rabos-de-palha.»
(In Os Brilhantes do brasileiro)

 

 

Read Full Post »

O Sr. Atanásio tem quarenta e oito anos, é capitalista, casado, sócio que foi de molhados com o Sr. Fialho, bom vizinho, cidadão pacífico, e aos costumes disse nada. Porém, o povo reza que ele, apanhando em flagrante a esposa numa excursão filarmónica às esferas sonorosas com um caixeiro, tão duro e miúdo tocara o compasso no caixeiro com a batuta de uma tranca, que o rapaz, expulso a couces, chegou à terra e expirou oito dias depois, contando o segredo a sua família.

A esposa de Atanásio, depois de encerrar-se quinze dias no seu quarto, viu abrir-se a porta à força, fez o ato de contrição para morrer cristãmente, e ia expirar de pavor, quando o marido lhe abriu os braços e disse: «Estás perdoada; mas, se fazes outra, escavaco-te.» Desde então o porte desta senhora reduz as Fúlvias e Marcelas a condições indignas dos gabos históricos. Pecadora que passe por ela é visão que a enoja e adoenta. As filhas, quando a escutam discretar em virtudes, cuidam que sua mãe é uma mulher da Bíblia.
(In Os brilhantes do brasileiro)

Read Full Post »