Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Quatro horas inocentes’

«As lágrimas represadas são a peçonha mortal do coração.»
(In Quatro horas inocentes)

 

Anúncios

Read Full Post »

A iniciativa tem como objetivos principais fomentar o gosto pela leitura dos textos de Camilo Castelo Branco e proporcionar a partilha de abordagens e de interpretações da prosa do romancista de São Miguel de Seide.

Para cada sessão é sugerida a leitura prévia de um texto de Camilo, o qual é cedido gratuitamente pela Casa de Camilo, desde que solicitado para o endereço eletrónico geral@camilocastelobranco.org.

Formador: João Paulo Braga
Local: Casa de Camilo – Museu (S. Miguel de Seide, Vila Nova de Famalicão)
Público-alvo: maiores de 16 anos (número máximo de 30 participantes por sessão).

 

Read Full Post »

«- E do barão de Vougado – ajuntou o capelão.

– Que é um burro – tornou o morgado para fazer sentir ao padre a distância intelectual que o separava do outro pretendente.

– A respeito disso – replicou o padre João – se ele é burro ou letrado, não se lhe importa a moça saber. Vossa Excelência não tem visto meninas da cidade, a saberem gramática, francês, geografia e várias ciências, casarem com ricaços burríssimos?»
(In Quatro horas inocentes)

Read Full Post »


“Esta descabida digressão desviou-me das lástimas que eu vinha contando deste Porto de hoje, tão sorna e tristonho na festiva e donosa das suas feições – o Carnaval.
Mas, há vinte anos, o que foi isto! Que saudades, que desenganos…”
(In Quatro horas inocentes)

Read Full Post »


Era em 1850, segunda-feira de entrudo. Entrei no Teatro São João, de braço dado com um amigo que dois anos depois pereceu no naufrágio do vapor do Porto. Era José Augusto da Silva Pinto, um dos mais gentis e galãs mancebos daquele tempo.
Trajava ele um riquíssimo costume de Richelieu com o qual ia distinguir-se naquela noite no baile da Assembleia. Eu vestia uma rota e suja casaca de 1810, que alugara por doze vinténs, e completava o disfarce com um chapéu de castor branco que o meu criado me emprestara…
O contraste impressionou as damas. Não sei até se a democracia cristã do duque de Richelieu, prestando o braço a um maltrapido simulacro de mestre-escola com três meses de atraso, fez marejar nos olhos do público as lágrimas duma piedosa compunção. Às dez horas o meu amigo foi para o baile e eu fiquei no teatro embevecido num primor de olhos divinos que há vinte anos me seguem, e me vão precedendo no curto caminho da cova, que breve me há-de remir, mas eu sei que a luz daqueles olhos há-de ir comigo, céu ou inferno dentro, ou como estrela que entre na sua constelação, ou como lágrima luminosa dum anjo caído no abismo. Ó formosos olhos, nunca puderam prantos apagar-vos essa luz imorredoura! Se eu diria naquele noite de segunda-feira de entrudo…
(In Quatro horas inocentes)

Read Full Post »

«Belo é morrer, mas melhor seria não ter nascido!»
(In Quatro horas inocentes)

Read Full Post »