Feeds:
Artigos
Comentários

Pensamento da semana

«O presente é este sincero desgosto de muitos e intermitente embriaguez da felicidade de poucos.»
(In Cavar em ruínas)

Trás-os-Montes


«Quem disser que em Trás-os-Montes não há romances, é capaz de dizer que a lua não tem habitantes, e as alfândegas ratos.»
(In Cenas contemporâneas)

Pensamento da semana

«Não pulsa um coração debaixo do céu, que não sofra.»
(In Anátema)

A iniciativa tem como objetivos principais fomentar o gosto pela leitura dos textos de Camilo Castelo Branco e proporcionar a partilha de abordagens e de interpretações da prosa do romancista de São Miguel de Seide.

«Aos 55 anos de idade, o comendador Palhares liquidou duas dúzias de contos adquiridos em trinta anos de trabalho no Brasil e regressou a Portugal.»
(In Serões de São Miguel de Seide)

Download do PDF “Segundo Comendador”
http://www.camilocastelobranco.org/doc.php?co=74
Formador: Sérgio Guimarães de Sousa
A sessão realizar-se-á na plataforma Zoom
Inscrição para o endereço eletrónico: geral@camilocastelobranco.org

Pensamento da semana

«A vida é um panorama dos mais finos pincéis do diabo!»
(In carta a Silva Pinto)

Espírito e graça

«O menino é um sarcástico! Se o não visse tão inclinado a rir-se de cousas sérias, contava-lhe uma história triste…

– Se eu gosto muito de histórias tristes…. Verá que me não rio, quando me dizem alguma cousa que me toque o sentimento. A minha família chama-me poeta; os vizinhos chamam-me tolo; não sei bem o que sou; mas o que não sou é insensível… Vê… já não tenho vontade de gracejar… Conte-me agora a história, que eu prometo contar-lhe outra que me fez chorar, porque é uma passagem tão infeliz que, se eu fizesse novelas, escrevia uma.»
(In Cenas contemporâneas)

Pensamento da semana

«Há pontos na casca do globo em que a virtude custa pouco.»
(In Anos de prosa)

«Viveu na sua escrita como vive um monge na sua clausura, sequestrado do século pelo condão fastiento e desdenhoso da sua índole, não lhe permitindo gozar da vida senão o sabor mordente e corrosivo da paixão amorosa, – de todas as paixões humanas a que mais frequentemente leva a apetecer a morte. De sorte que ele poderia adoptar para si o epitáfio de Beyle, compendiando a sua autobiografia na mesma breve epígrafe, resignada a altiva, resumo de todo o destino que teve na terra o seu dolorido coração e o seu grande espírito:

Escrevi, amei, vivi

Ramalho Ortigão

Pensamento da semana

«A vida íntima é cheia de passagens ridículas…»
(In Maria Moisés)

S. João da Foz


«No dia seguinte, bela manhã de agosto, foi o bacharel Mateus a S. João da Foz.»
(In Cenas inocentes da comédia humana)