Feeds:
Artigos
Comentários

Pensamentos da semana

«Quando o amor-próprio se gela, o coração já está arrefecido para todas as impressões…»
(In Poesia ou dinheiro)

Pensamento da semana

«Paixões… que as leve o diabo e mais quem com elas engorda.»
(In Amor de perdição)

Convidado:
 Salvato Trigo, nasceu numa família de ferreiros de Ponte de Lima e hoje é reitor e proprietário da Universidade Fernando Pessoa, com sede no Porto. Formado em Românicas, defende que, para ser completa, uma universidade deve juntar as ciências duras e as humanas. Salvato Trigo, 63 anos, criou “sem um tostão do Estado” como gosta de sublinhar, uma instituição em expansão, que prepara a abertura de um hospital-escola.

Filme a exibir:

 

Amor de Perdição é uma adaptação cinematográfica do romance homónimo de Camilo Castelo Branco feita pelo realizador António Lopes Ribeiro, em 1943. Conta com António Vilar no papel de Simão Botelho, uma jovem Carmen Dolores como Teresa de Albuquerque e António Silva como João da Cruz. É considerada uma das mais fidedignas adaptações da famosa obra camiliana, tendo o diálogo sido respeitado quase na íntegra. É o filme de estreia de Carmen Dolores, que contava apenas com 19 anos na altura das rodagens.

Ficha Técnica:
Título: Amor de Perdição (Original)
Ano produção: 1943
Dirigido por: António Lopes Ribeiro
Duração: 128 minutos

 

Pensamento da semana

«O coração da mulher é um abismo.»
(In Mistérios de Lisboa)

 


«Camilo, pelo feitio étnico do seu espírito, pelo sangue, pelo temperamento e até pela educação, é um português do Norte – um transmontano.
Nasceu em Lisboa, bem sei. Mas isso importa pouco. Na vida do romancista é um detalhe mínimo, acidental. A pátria não é a terra onde se nasce; a pátria é a terra do nosso sangue, e a terra que nos modela o espírito.»

Manuel Laranjeira, in “Ilustração Transmontana”

 

Pensamento da semana

«A melancolia é sorna e estéril.»
(In Coração, cabeça e estômago)

8 de novembro de 1885

 Camilo Castelo Branco é nomeado sócio honorário da Associação Académica Funchalense, a 8 de novembro de 1885.