Feeds:
Artigos
Comentários

«Este mundo é um hospital de doudos.»
(In Vingança)


Assistimos aqui a uma luta entre o círculo da sociedade e o círculo do amor, ambos com direitos sobre as personagens.

Já sabemos que Camilo não assiste como árbitro ao conflito entre o coração e a sociedade.

Camilo toma partido. Não se limita a julgar Hermenegildo Fialho Barrosas e a pôr convencionalmente Ângela “debaixo de uma amendoeira florida”. Começa logo pelas proeminências morais características dos três velhos amigos do brasileiro. Pantaleão Mendes, Atanásio da Silva e Joaquim Bernardo. “Abriram-se os buchos e fecharam-se as consciências” destes membros do tribunal de honra onde Ângela foi condenada à infâmia e à pobreza. O mundo do dinheiro, a opinião pública portuense, a sociedade são sujeitos ao sarcasmo e à troça ou ao severo juízo do novelista.

A nossa ousadia em empreendermos um trabalho de tanta responsabilidade deve ser relevada pelo desejo que tivemos de tornar conhecida, no teatro, uma das melhores produções do fecundo e glorioso romancista.

«A felicidade absoluta neste mundo é uma paradoxal visão dos poetas.»
(In Coisas espantosas)

Esta mostra integra um conjunto de vinte poesias impressas em seda e que fazem parte do acervo da Casa de Camilo. As poesias, seis das quais da autoria de Camilo Castelo Branco, são dedicadas “A Laura Geordano” e foram escritas para a festa de despedida, em seu benefício, realizada no Real Teatro de São João no Porto, no dia 31 de Maio de 1854.
Laura Geordano era uma cantora lírica que granjeou enorme popularidade na cidade Invicta, nos meados de oitocentos.

 

A iniciativa tem como objetivos principais fomentar o gosto pela leitura dos textos de Camilo Castelo Branco e proporcionar a partilha de abordagens e de interpretações da prosa do romancista de São Miguel de Seide.

Para cada sessão é sugerida a leitura prévia de um texto de Camilo, o qual é cedido gratuitamente pela Casa de Camilo, desde que solicitado para o endereço eletrónico geral@camilocastelobranco.org .

 

«A política é boa distração para quem não ama»
(In O Retrato de Ricardina)